A areia e a rocha

salar-de-uyuni-desert-rockEu lembro, há mais ou menos um ano atrás, eu pude entender de longe o que significava a afirmativa “Eu Sou”. Hoje, eu pude viver uma fração dessa afirmativa e por isso agora também posso dizer, acima de tudo, Somos. Já não como uma afirmação longínqua, mas como um certeza de uma rocha desnuda na praia.

Na Índia, às margens do Rio Ganges eu pude presenciar empiricamente como as rochas se tornavam areia, tinha uma pedra grande se desfazendo, e quando eu peguei na minha mão, ela virou areia; o que me remeteu a mais uma afirmativa “do pó, ao pó”. E lá, eu pude vivenciar a efemeridade da rocha, algo tão concreto segundos antes, se desmanchar no vento. E então, o espanto, uma descoberta difícil de encarar, naquele momento eu era aquela rocha, e ela era a minha mestra. E ali me vendo como num espelho muito íntimo eu consegui olhar vida e mais uma vez dizer “Eu Sou, e vou viver para fazer cada um desses grãos valerem a pena.”

Hora os grãos são arrastados pelo vento, hora pela água, hora consumidos pelo fogo, mas o mais importante é, que eles continuem valendo a pena.

Consciência Universal, Vida Em Outros Planetas e Transição Planetária – Parte 3

Continuando o post sobre este momento intenso em o planeta está vivendo, vou retirado do Evangelho Segundo o Espiritismo, que após os livros de Chico Xavier, me senti convidado a estudar as bases em que Chico havia alicerçado tanta caridade e doação para este mundo através de seus livros de tão ricos conhecimentos e sabedoria.

New Earth“É preciso considerar que, sobre a Terra, não se vê a humanidade, mas apenas uma pequena fração dela. Com efeito, a espécie humana compreende todos os seres dotados de razão que povoam os inumeráveis mundos do Universo; ora, o que é a população da Terra, perto desses mundos? Bem menos que a de um lugarejo em relação à de um grande império.

Ao mesmo tempo que os seres vivos progridem moralmente, os mundos que eles habitam progridem materialmente. Assim, caminham paralelamente o progresso do homem, o dos animais, dos vegetais e da habitação, porque nada é estacionário na natureza. Continuar lendo

A energia Kundalini e a Energia Vital, parte 2

7 ChakrasContinuando o texto sobre a Kundalini e a Energia Vital, a energia kundalínica é uma questão que é tratada com muito romantismo nos livros, documentários e muitos entusiastas sobre o assunto. Geralmente se fala “medite nessa cor, entoe este mantra, visualize isso ou aquilo, faça assim ou assado”, mas sabemos que não é desse jeito que funciona, mas queremos nos enganar, da mesma forma que sabemos que não é comprando um livro de auto-ajuda que vai mudar nosso comportamento, queremos acreditar porque queremos o caminho mais fácil.

É muito importante entender este ponto, estando atado a uma mente estreita e condicionada, que por sua vez está presa em um ciclo negativo de comportamento, será muito mais difícil fazer essa caminhada. É justamente isto que suga sua energia vital, sua fonte de conexão com seu eu maior, que está direcionada para o bem, mas se você subverte ela, ela só fica menor e menor, a ponto de precisar retirar a energia das pessoas a sua volta para se sentir melhor. Que é julgando, humilhando, fazerem se sentirem mal ou culpadas, etc. Mas quando você põe esta energia em movimento, ela se transforma em benevolência, gentileza, doação. Isso sendo um gesto verdadeiro — no qual não se espera nada em troca, simplesmente faz assim por se sentir mais preenchido pela graça, benção, espírito santo, períspirito, ruach, ki, prana, energial vital, seja lá como você queira chamar — então essa energia só vai expandir mais e mais, abrindo as portas para receber a energia kundalini. Continuar lendo

Sexo, O Portal Sagrado – Parte 2, Luxúria

The Birth of VenusDurante a nossa vida, entramos em contato com muitas formas de amor, o parental, o fraterno e o amor conjugal. O prazer que sentimos ao fazer sexo, da acesso a um amor difícil de explicar, que dele brotam amizade, cumplicidade, confiança, intimidade e tantos outros sentimentos que são fractais do amor maior, ou, da verdade, daquilo que você é mas ainda não sabe. Mas muitas vezes podemos nos perder nesse prazer, por acreditar que o prazer é o fim, e não um meio. Por isso você estará sempre em busca desse prazer, comparando e acreditando que precisa de mais prazer, quando que você está em um relacionamento, o que você precisa é mais amor, é abrir mais fractais desse amor maior, daí então, o prazer que você irá sentir, será uma bela consequência, um despretensioso deleite de amor.

Nós complicamos tudo, o sexo é algo tão simples, mas quando identificado pelo falso ego e apoiado em verdades emprestadas, acreditamos que complicando-o, ele se torna mais interessante. O nome dessa complicação é: Luxúria. Geralmente a luxúria é vista como algo relacionado ao sexo, mas ela vai além, tem a ver com a maneira ao qual nos relacionamos com o seres e coisas em nosso meio, e principalmente, como nos relacionamos com nós mesmos. Continuar lendo

Período de Intervalo

Já venho há mais de um ano postando no blog com uma certa frequência, esta que se intensificou nos últimos meses, mas agora, devido a uma série de circunstâncias irei passar um tempo sem escrever no blog. Os tempos estão pedindo por esse momento.

Vou encerrando esse período com um trecho da entrevista de Chico Xavier no livro Pinga Fogo: Continuar lendo

O amor é Deus – Iluminação III

Sacred-Heart-of-JesusContinuando uma série de posts que comecei sobre a iluminação “Não é que Deus seja o amor, é o Amor que é Deus, entende?” Essa foi a frase que ouvi de uma amiga próxima ao relatar sua experiência além da mente. Para muita gente pode ser difícil entender essa frase, ou até mesmo ouvir. Mas é a esse nível de compreensão que se chega ao ter uma experiência real com D’us. O mantra da compaixão, Om Mani Padme Hum nasceu de uma experiência como essa, Avalokitesvara, assume esse mantra ao se iluminar. Na linhagem a qual faço parte, o Satguru Sachcha Baba recebeu um mantra similar, Prabhu Ap Jago, que significa Deus desperte. Quando você desperta, é tanto amor fluindo através de você que a partir de então, todos os seus movimentos na Terra são de compaixão, você entende o sofrimento do outro, todos os seus movimentos passam a ser para um desejo sincero de ver os outros acordando para essa bem aventurança, para que realinhem seus caminhos em direção à verdade, ou em outras palavras, em direção ao amor.

E o que é amor? Seria um ideal moral? A resposta está acima, amor é estado de ser, enquanto você não pode realizar esse estado, você(o amor) estará preso a um relativismo social, a uma construção egoica da mente, daquilo que a sociedade espera de você como um cidadão exemplar. Continuar lendo