Sexo, O Portal Sagrado – Parte 2, Luxúria

The Birth of VenusDurante a nossa vida, entramos em contato com muitas formas de amor, o parental, o fraterno e o amor conjugal. O prazer que sentimos ao fazer sexo, da acesso a um amor difícil de explicar, que dele brotam amizade, cumplicidade, confiança, intimidade e tantos outros sentimentos que são fractais do amor maior, ou, da verdade, daquilo que você é mas ainda não sabe. Mas muitas vezes podemos nos perder nesse prazer, por acreditar que o prazer é o fim, e não um meio. Por isso você estará sempre em busca desse prazer, comparando e acreditando que precisa de mais prazer, quando que você está em um relacionamento, o que você precisa é mais amor, é abrir mais fractais desse amor maior, daí então, o prazer que você irá sentir, será uma bela consequência, um despretensioso deleite de amor.

Nós complicamos tudo, o sexo é algo tão simples, mas quando identificado pelo falso ego e apoiado em verdades emprestadas, acreditamos que complicando-o, ele se torna mais interessante. O nome dessa complicação é: Luxúria. Geralmente a luxúria é vista como algo relacionado ao sexo, mas ela vai além, tem a ver com a maneira ao qual nos relacionamos com o seres e coisas em nosso meio, e principalmente, como nos relacionamos com nós mesmos. Continuar lendo

Período de Intervalo

Já venho há mais de um ano postando no blog com uma certa frequência, esta que se intensificou nos últimos meses, mas agora, devido a uma série de circunstâncias irei passar um tempo sem escrever no blog. Os tempos estão pedindo por esse momento.

Vou encerrando esse período com um trecho da entrevista de Chico Xavier no livro Pinga Fogo: Continuar lendo

O amor é Deus – Iluminação III

Sacred-Heart-of-JesusContinuando uma série de posts que comecei sobre a iluminação “Não é que Deus seja o amor, é o Amor que é Deus, entende?” Essa foi a frase que ouvi de uma amiga próxima ao relatar sua experiência além da mente. Para muita gente pode ser difícil entender essa frase, ou até mesmo ouvir. Mas é a esse nível de compreensão que se chega ao ter uma experiência real com D’us. O mantra da compaixão, Om Mani Padme Hum nasceu de uma experiência como essa, Avalokitesvara, assume esse mantra ao se iluminar. Na linhagem a qual faço parte, o Satguru Sachcha Baba recebeu um mantra similar, Prabhu Ap Jago, que significa Deus desperte. Quando você desperta, é tanto amor fluindo através de você que a partir de então, todos os seus movimentos na Terra são de compaixão, você entende o sofrimento do outro, todos os seus movimentos passam a ser para um desejo sincero de ver os outros acordando para essa bem aventurança, para que realinhem seus caminhos em direção à verdade, ou em outras palavras, em direção ao amor.

E o que é amor? Seria um ideal moral? A resposta está acima, amor é estado de ser, enquanto você não pode realizar esse estado, você(o amor) estará preso a um relativismo social, a uma construção egoica da mente, daquilo que a sociedade espera de você como um cidadão exemplar. Continuar lendo

Ayahuasca – por Gilberto Gil [Vídeo de Sábado]

Música que Gilberto Gil compôs inspirado por uma experiência com a ayahuasca. Caso você tenha familiaridade com os estados de meditação, então, vai entender sobre o que Gil está falando. Via, Ministério da Cultura.

 

Gilberto Gil
Se eu quiser falar com Deus
Tenho que ficar a sós
Tenho que apagar a luz
Tenho que calar a voz
Tenho que encontrar a paz
Tenho que folgar os nois
Dos sapatos, da gravata
Dos desejos, dos receios
Tenho que esquecer a data
Tenho que perder a conta
Tenho que ter mãos vazias
Ter a alma e o corpo nus…
Continuar lendo

A Arte como Instrumento de Transformação

Bem, neste planeta imenso em que vivemos, o maior mistério que temos é o ser humano. Na verdade, enquanto se tem uma consciência envolta pela fé materialista, tudo aqui é um imenso mistério, mesmo a ciência acreditando e alegando o contrário. O que se faz necessário saber enquanto entidade consciente, no plano intelectual, é que não somos a entidade mental ao qual estamos identificados. Esta entidade mental é uma construção social, é uma identidade programada, é uma coleção de traumas e apegos disposta a fazer valer a própria crença.

Alex_Grey-Artists_HandFalei anteriormente sobre a importância de abrir mão de usar a expressão “eu odeio“, isso é um instrumento que vai te fazer vibrar com a verdade interna, religião não se faz apenas dentro de uma igreja, já falei que religião é muito mais que um repertório cultural obedecido cegamente, religião é tudo que te faz se aproximar da verdade que te habita, dessa maneira, tem o mesmo sentido de Yoga, qual seja: conectar, unir. Mas este não é o único instrumento de transformação que temos neste mundo, um outro instrumento é o relacionamento conjugal, sendo este o lugar onde você vai colocar em prática aquilo que você absorve do mundo externo, é a chance pra você ser honesto consigo mesmo, ser diferente, ser o amor. Agora, mais um instrumento que vai te permitir perceber a frequência da verdade interior é a arte. Me mostre uma sociedade, uma comunidade, um indivíduo e eu te mostrarei arte, o homem não existe sem a arte. Continuar lendo